7 Abril 2016

Ciganos: Um “trampolim” para a vida ativa e a inserção social

Nos bairros do Planalto do Ingote cerca de 20% da população é de etnia etnia cigana. A TSF foi conhecer o “Trampolim” e o “Cultura Cigana em Movimento”, dois projetos apostados na integração.

São as crianças que começam a dar os passos mais significativos para a integração social, mas também projetos como o “Cultura Cigana em Movimento”, que foi financiado pelo ACM – Alto Comissariado para as Migrações e que esteve ativo até dezembro do ano passado.

Este projeto pretendia mostrar particularidades da cultura cigana e desencadeou vários workshops de dança cigana ou construção de caixas flamencas, lutando assim contra a discriminação desta etnia.

Terminado o projeto, as comunidades ciganas, sobretudo os mais novos não ficaram desprotegidos. no terreno, também financiado pelo ACM, existe o projeto Trampolim, para promover a inserção na vida ativa e na participação cívica.

Na Escola Básica do Ingote, com 25 crianças, grande parte delas ciganas, a TSF acompanhou uma atividade do Trampolim, em parceria com a CPCJ (Comissão de Proteção de Crianças e Jovens), que pretendeu alertar os mais novos para os maus tratos e violência na infância.

Ferrer e Zidane jogam à bola num campo improvisado no recreio da escola, um contra o outro. Sonham ser jogadores de futebol, mas o jogo que o projeto Trampolim trouxe à Escola Básica do Ingote não foi esse. O objetivo era pintar uma parede com palavras, expressões ou sentimentos, que lembrasse às crianças os seus direitos.

O avançado Ferrer escolheu ser feliz. “Porque é um sentimento que gosto. Gosto de me sentir feliz”, atira a criança.

Na escola cria-se uma segunda comunidade onde ciganos e não ciganos estudam e brincam como um todo onde não há diferenças. “Não especificamos se estamos a trabalhar com uma criança cigana ou não, trabalhamos com um grupo de crianças. Muitas vezes, as crianças ciganas até têm mais competências”, explica Carla Alves que sublinha que, no Planalto do Ingote, sobretudo entre os mais novos, a discriminação dos ciganos é cada vez menos sentida.

E quando se pergunta que direitos têm enquanto crianças, em conjunto sabem bem o que dizer: “aprender, ir à escola e ser livre”.

O Trampolim vai na 6ª geração, existe desde 2004 e até 2018 pretende desenvolver 14 atividades regulares no planalto do Ingote. “Desporto ativo, apoio ao estudo com a escola virtual, oficina de teatro, oficina de dança, grupo de jovens, oficina dos saberes para apoiar os trabalhos de casa praticamente todos os dias”, enumera.

Um Trampolim para que crianças de meios desfavorecidos cresçam incluídas na sociedade.

O Trampolim está na 6ª geração Escolhas, é promovido pela Câmara Municipal de Coimbra e gerido pelo CASPAE – Centro Apoio Social de Pais e Amigos da Escola n.º10.

Fonte: TSF on-line, 7 de Abril de 2016