Quem somos

O Fórum Não Governamental para a Inclusão Social (FNGIS) é um orgão representante da Sociedade Civil que funciona como plataforma de ONG’s, sendo parte activa na discussão política e na definição de uma estratégia nacional de inclusão social, constituindo-se, para tal, como grupo de trabalho alargado, de carácter inter-sectorial e inter-institucional.

Origem

A evolução do FNGIS acompanhou as mudanças ao nível da abordagem governamental da Inclusão Social.

O FNGIS surgiu em 2006, tendo como ideia base contribuir activamente para a construção, implementação e avaliação do Plano Nacional de Acção para a Inclusão (PNAI).
Foi na segunda geração do PNAI (2003-2005) que se consagrou esta possibilidade por parte do Estado Português. Abriram-se assim as portas para o reforço de um dos mais importantes pilares: o reforço da participação de todos os actores no processo de inclusão social. Os impulsos recebidos por parte da União Europeia deram lugar ao surgimento de sistemas e plataformas de cooperação inter-associativa cujo trabalho conjunto torna mais fácil o fundamental e imprescindível ajuste entre necessidades e recursos promovendo uma maior mobilização e implicação da sociedade no seu conjunto.
Foi seguramente enquadrado por estas motivações, tantas vezes expressas por várias ONGs, que o Estado Português, a partir da estrutura responsável pela coordenação e implementação do PNAI, lançou o apelo – a algumas entidades desta natureza – para a organização e constituição de uma plataforma de interlocução ao nível do PNAI.

O FNGIS constitui-se assim formalmente como associação a 28 de Julho de 2009 e deteve um papel determinante no ano de 2010 – Ano Europeu de Combate à Pobreza e Exclusão Social, integrando a sua Comissão Nacional de Acompanhamento e dinamizando, através dos seus membros, o Projecto Isto Inclui-me: da Participação à Inclusão, no qual se integrou a campanha “Não deixe que a pobreza se transforme em paisagem”.
Durante este ano de forte impacto, o FNGIS envolveu um total de 54 membros (27 efetivos e 27 observadores).

O ano de 2011 trouxe consigo alterações estruturantes no domínio da abordagem governamental da Inclusão Social. De acordo com a Estratégia Europa 2020, aprovada pelo Conselho Europeu, o Programa Nacional de Reformas (PNR) a apresentar por cada país passou a ser elaborado em articulação com o Programa de Estabilidade e Crescimento (PEC), garantindo a coerência entre os dois instrumentos, com reformas que no curto prazo levem em conta a prioridade da consolidação orçamental e da correcção dos desequilíbrios macroeconómicos e que contribuam para o reforço da competitividade, do crescimento e do emprego.
Passamos assim a um novo contexto de enquadramento estratégico da questão da Inclusão Social, enquadramento no qual todos reconhecemos que o lugar por ela assumido é cada vez de menor destaque mas de maior urgência.
Perante este cenário, o ressurgimento de uma entidade como o FNGIS no ano de 2013 revela-se prioritário, na medida em que o objecto social que nos uniu mantém-se atual.